Domingo, 20 de Novembro de 2016

«Um poema que irás odiar»

Deixa estar que lavo,

Deixa estar que eu faço.

(deixa estar)

Que eu vivo para te roubar os dias.

 

Deixa estar que eu conto,

Deixa estar que eu mudo.

(deixa estar)

Que serei eu a tua vítima de honra.

 

Deixa estar que eu tento,

Deixa estar que consigo

Que as lágrimas te sejam amargas.

 

Deixa estar que chego ao fim,

Deixa estar que sofro,

Deixa estar que escrevo (todos os dias)

Um poema que irás odiar.

 

in Diálogo de Vultos, Fernando Ribeiro, edições quasi


publicado por Cris às 09:04
link do post | favorito
Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 8 seguidores

.a ler

.livros à venda

O Parque Livrássico

.pesquisar

 

.posts recentes

. Ainda os CTT, candidatos ...

. Os CTT no seu pior!

. Trabalhar por conta própr...

. Coisas que acontecem a es...

. Alguns títulos de livros ...

. A moedinha

. Gosto ou Necessidade?

. O perigo dos diminutivos ...

. Os odiosos

. Naufrágio

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Março 2018

. Junho 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

.tags

. todas as tags